Arquivo da categoria: Musica

Nuno Norte @ Casa da Música

230057_395378380540510_645283761_n

NUNO NORTE vem com a sua banda à Casa da Música, apresentar o seu espectáculo “ SAL TOUR 2016/2017”, onde, para além das músicas que constituem o seu cd “ sabe a SAL”, editado em Junho deste ano, revê, com novas roupagens musicais, temas que fazem parte da sua carreira musical.
Possuidor de um timbre vocal muito próprio, Nuno Norte tornou-se conhecido do grande público, por ter vencido o concurso televisivo “ Ídolos” da SIC em 2004.
Deu voz ao projecto “ Filarmónica Gil “ (João Gil e Rui Costa), actuou em Festivais da Canção da RTP e em muitos espectáculos em nome próprio, um pouco por todo o País. Convidou para este concerto dois grandes cantores e amigos: TOZÉ SANTOS (Per7ume) e JOÃO GRANDE (Táxi).
Bilhetes à venda em Ticketline e Casa da Música.

Anúncios

The Slow Readers Club

The Slow Readers Club são os convidados desta semana e é com um enorme prazer que trazemos até vós, uma das bandas mais promissoras do Reino Unido.
Em 2015, lançam o 3º album  Cavalcade e 2016 é o ano em que a banda deixa de ser um segredo bem guardado em Manchester!
Convidados da tour “Girl at the End of the World” dos britânicos James, os The Slow Readers Club cativaram o público em cada um dos concertos bem como o reconhecimento dos media através da inclusão dos seus singles, nas playlists das principais rádios, tais como BBC 6 music, XFM e Amazing Radio.
Com agenda preenchida e concertos esgotados, prometem ainda dar muito que falar!
Estivemos à conversa com a banda e aqui vos deixamos a entrevista integral 😉

Who are The Slow Readers Club?
Aaron Starkie (Vocals / Keyboards)
Kurtis Starkie (Backing Vocals / Guitar)
James Ryan (Bass)
David Whitworth (Drums)

How does it feel to be a Mancunian band?
We are proud Mancunians. We grew up listening to bands like The Smiths, The Stone Roses, Oasis, Joy Division, New Order, James, Elbow… the list goes on. These bands set the bar high, we are doing our best to live up to that standard while finding our own voice and story.

The Blog “Even the Stars” and “Louderthanwar” refer to SRC as “one of the city´s best kept secrets” and “quite simply too glorious to be kept a secret”. What defines you?
First and foremost we write and perform great songs with infectious melodies and lyrics that connect and mean something to people. What ever happens with the band, it is amazing to think that our music has been listened to and enjoyed by people around the world.

You were the support band for James during the “Girl at The End of the World” tour in UK. 
How was the experience for SRC? 
Exhilarating, the band were amazingly supportive. Jim and Saul in particular watched every set we performed pretty much and were full of praise for our recent album ‘Cavalcade’. There have been many times in our rehearsal room over the years where we have had conversations saying ‘If only we could get a break, if only we could get on tour with a decent band’. So when the James offer came through it really was a dream come true.
We played 11 dates with them at some amazing venues including Manchester Arena and Brixton Academy in London. One of the most unexpected highlights was our performance at Bournemouth Academy. Our Drummer David was unable to do the show so we were forced to do an acoustic set at short notice. Saul joined us on stage and played violin our track ‘Forever In Your Debt’, that was a real honour.

If SRC ever come to Portugal, what can the audience expect from you?Dark and dramatic and danceable indie electro.

A song?

Gimme Danger by Iggy Pop

A book?

Steppenwolf by Hermann Hesse

A place?

Barcellona

A trip?

Portugal 🙂

A wish?

To play Glastonbury

(Filipa Cruz & Ines Meneres – ShoutOut music blog.)

14469473_10154583191751118_7781135417041729471_n

António Mão de Ferro

António Mão de Ferro é o convidado #ShoutOut desta semana!

“As performances ao vivo de António Mão de Ferro refletem o aspecto multicultural da sua música. Temos pop, blues, rock, folk e elementos latinos ao longo de todo o concerto.

Ouvimos as suas influências através da música, de uma forma muito sedutora. Temos músicos como Waits, Dylan, Bowie, Beatles e outros, mas António Mão de Ferro realmente pega nessas influências e faz com que pareçam parte integrante dele.
É a sua própria história, com voltas e reviravoltas inesperadas.
Apesar de ser multi-instrumentista, António Mão de Ferro brilha com sua poderosa maneira de tocar guitarra , inspirada nos blues, e com a sua voz suave e quente.
Apoiado por uma banda de estrelas, António Mão de Ferro consegue recriar as paisagens complexas e intrínsecas das suas gravações em estúdio, onde todos os elementos musicais diferentes transportam o ouvinte numa viagem que não vai esquecer.”
Fiquem atent@s, a semana ainda está a começar 😉

11289050_10200434213655662_1332808467355856236_o

The Machine Wolf

unnamed

“THE MACHINE WOLF”

(Jorge Oliveira)

“Decididamente a minha imagem, a minha cara, a minha banda… A primeira coisa que pensei quando me propus a formar os TMW, foi essencialmente na sensibilidade e personalidade das pessoas, e não, somente, na capacidade como músicos/técnica que eles pudessem ser/ter… Felizmente, consegui reunir o lado bom de todas as facetas.”
#TMW (The Machine Wolf) é o primeiro projecto que trazemos até vós.

Estivemos à conversa com o Jorge Oliveira, o mentor do projecto, também conhecido pelas diversas colaborações em bandas como: #Hands on Approach, #Classificados, #GNR, #Fingertips, #Souq ,  #Darko, entre outras.
Sobre o panorama actual da música nacional: “ É de louvar o surgimento quase em catadupa de bandas novas com muita qualidade e diversidade. Tem havido de facto muitas ofertas, muito por culpa de entidades (editoras, agências, etc..) novas que se têm criado para proporcionar a essas mesmas bandas a edição de um trabalho seu. Não era fácil por motivos que em nada dignificam a música nacional, em tempos, poder colocar estes variadíssimos produtos no mercado. Felizmente, os tempos mudaram e as pessoas acompanharam essa mesma evolução.”

Reconhecemos nas palavras do Jorge a mesma convicção que nos move: “…o caminho é sermos nós próprios a criar a plataforma para lançarmos o nosso próprio produto.”
Fiéis ao nosso intuito na divulgação dos projectos de forma não crítica e sempre em sintonia com os autores, o tema “Nothing/Everything”, faz parte do EP “Eclectric” sugerido pelo Jorge, e que bem sugerido! 😉